sexta-feira, 14 de outubro de 2016

SOBRE GARIMPAR


           Sufocados a tanta informação, vitrines, blogs, referências, novelas e imagens de moda em todos os lugares, é árdua a missão de manter desativado desejo por novas peças, que independe do estilo e forma de vida. Ele apita em todos.

            Em tempos de crise econômica, surgiu um novo tipo de consumidora: a que gasta pouco, tem orgulho de frequentar bazares e pontas de estoque e não se incomoda em repetir roupas. A moda de não comprar tem galgado um patamar fashion, são as chamadas recessionistas, gente com talento para garimpar achados, que aproveita liquidações, descobre outlets e se aventura pelas 25 de Março da vida, incorporando coisas novas (e em conta) ao bom e velho armário.


         A tarefa de garimpar, é mais simples do que parece, ela não é só uma prática, mas uma ideologia, é um incessante caminho, onde você identifica o que precisa, para saber o que comprar. Como começar? Faça notas do que tem gostado, relacione as peças que faltam, avalie se elas fazem sentido no seu armário, planejar as próximas aquisições reduz imensamente as compras por impulso.

          Apostar seu capital nos atemporais é um artifício: invista naquelas que você tem certeza que serão as estrelas do seu guarda-roupa. Eleja uma ou outra modinha da estação, mas pare pra pensar que algumas delas podem ser compradas em lojas mais baratas, ornadas com uma pegada Hi-lowTenha em mente que uma boa seleção de acessórios, capriche nos complementos finais, taí a melhor receita pra estar atual sem exagerar nos gastos e muito menos perder a naturalidade do nosso gosto pessoal.



          E quem disse que só é possível garimpar fora de casa? Garimpar peças no próprio closet é habilidade rara, não tem nada melhor do que se apaixonar de novo por uma roupa que estava de canto no nosso próprio acervo e usá-la de um jeito totalmente novo. Analise o estado da peça, se precisar recorra as costureiras, elas fazem mágicas! Aproveite a viagem ao atelier e já solicite a confecção de roupas sob medida, você economiza e ainda sai com a garantia de um visual exclusivo.

          Outra orientação é: promova bazares de troca com as zamigas, a política da barganha pode acontecer com seu ciclos de amizades mais próximos, troque suas peças por outras que você sempre cobiçou quando elas vestiam, todas renovam o guarda-roupa sem colocar a mão na carteira.


           A busca pelo "casamento" do estilo com a forma de vida é inata, mas ela não deve se restringir apenas as compras, e muito menos ao insistente consumo de coisas novas e caras, a adesão de peças de maneira inteligente é sempre a melhor pedida. Quem me acompanha, sabe que esse nunca foi um blog de excessos, nem de luxos, nem de Loubotins, aqui é um lugar para falar de moda pro dia-a-dia, que dá valor no dinheiro, e que abraça o custo-benefício.