sexta-feira, 17 de março de 2017

SOBRE O SPFW: DESFILES PODEM FALAR MUITO!

Confesso, não consegui acompanhar fielmente esse SPFW, a semana foi de apresentação de trabalhos, engarrafamento e chuva, o que eu mais quis esses dias foi chegar e dormir. Mas, estava dando uma checada no pacote: instagram+facebook+twitter e eis que vi a matéria da Vogue sobre o desfile de Amir Slama, marca especializada em beachwear. 


A manchete foi: "SPFW tem manifesto contra assédio sexual.", além de vender e transpor a identidade de grifes, desfiles podem falar muito, apresentar ideologias e manifestar. Sem violência, sem quebra-quebra e com uma sacada bem pensada, como a de Amir Slama em parceria com a Ação Sexismo Invisível, trouxe o assunto da violência contra à mulher a tona. Teve muito grito dentro de uma mensagem artística linda. 


Sim! Não há nenhum motivo pra que marcas bacanas também não possam ser agentes de transformação para uma sociedade mais justa com as mulheres. E num desfile que não fugia muito da atmosfera comercial, a luz nos surpreendeu: quando os flashes dos fotógrafos iluminaram os corpos das modelos, mensagens como "decote não é convite" e "perna de fora não é provocação" se revelaram sobre a pele graças a uma tinta refletora.

Tem, sim, gente que encara como provocação o fato de as as mulheres quererem usar roupas curtas ou decotadas. A ideia é dar fim para culpabilização da vítima em momentos de agressão. O comprimento das nossas roupas não justifica à violência. 

Os focos foram para os corpos, mas com outro olhar sobre eles. Muito além da cores vivas e de tecidos metalizados e reluzentes, as frases eram curtas, mas disseram muito. Além disso, a seleção do desfile contou com a presença de mulheres transgênero, entre as modelos Valentina Sampaio e Marcela Thomé.

Quando vejo ações assim, curto mesmo, mostro pras amigas mesmo e faço questão de postar aqui. O nome disso é: orgulho puro! Viva essa moda com propósito que vem se firmando cada dia mais!